Educação Popular e Prática Cotidiana: O Método Paulo Freire na Evangelização

“Só existe saber na invenção, na reinvenção, na busca inquieta, impaciente, permanente, que os seres humanos fazem do mundo, com o mundo e com os outros. Busca esperançosa também.” (Paulo Freire, “Pedagogia do Oprimido”)

Aconteceu neste domingo, 27, mais um encontro de formação pastoral na Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera. Na sequência dos encontros anteriores, em sintonia com os desafios pastorais nos tempos de Francisco, a comunidade recebeu a professora Carolina Catini, da Unicamp, que veio falar sobre o tema: “Educação popular e prática cotidiana: o método Paulo Freire na evangelização”.

12049585_416911618498577_2764974947300823666_nNo diálogo franco e fraterno que Carolina estabeleceu com toda a comunidade, experimentamos na prática um método de educação popular, essa  práxis em favor da liberdade, contra a barbárie, a violência e o medo: jeito de educar no qual “o sujeito do conhecimento histórico é a própria classe dos oprimidos” (Walter Benjamin), chamada “bem-aventurada” pelo Nazareno (Mt 5). Sendo educação, é prática política que busca superar a opressão que a “educação bancária” consolidou; e, popular, assume a luta do povo, não como massa homogênea que só consome, mas como gente que, junta, reconstrói a história.

Nesse processo de intercomunicação, não há receitas prontas, mas sim métodos que nascem do chão vivo da realidade do povo trabalhador.

Educadora, Carolina também se fez educanda, ao ouvir e acompanhar o despertar da consciência do povo do Carmo e ao se fazer presente nesta Paróquia, cuja prática em favor da liberdade, contra a barbárie, a violência e o medo, educa de fato para a autonomia e assume a luta dos oprimidos, em profética coragem de resistir.

Nas veredas reabertas por Francisco, a comunidade presente em Itaquera propõe novos modos de ser igreja: inserida na realidade, superando a falsa dicotomia fé x mundo, igreja x sociedade. Somos mundo, somos terra, somos barro e só existimos junto com, em companhia, em sociedade, tanto mais justa quanto mais nossa intercomunicação é sincera, desinteressada partilha em meio a contradições e ambiguidades.

“Tempo capaz de transformação é o tempo onde estamos reunidos brotando pequenos deslocamentos do pensamento comum e gerando grandes transformações”

Obrigado Carolina. Obrigado, Padre Paulo. Obrigado, querida paróquia, de todos nós, por nos ajudar, em busca inquieta, a reinventar a fé, a partir do Nazareno, “no meio do mundo, com o mundo e com os outros”. Militar ao lado de vocês é experimentar a esperançosa busca do Reino, que não é realidade senão no chão de nossa história e a partir de nossa práxis comprometida com o Evangelho da Vida, na companhia do Ressuscitado!

12074692_878005498934446_8985010430255131739_nEdilson da Silva, educador e pastoralista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s