Minha fé

por Ivone Gebara.

Parece tão simples discorrer sobre a fé se apenas repetirmos o Catecismo que nos foi ensinado. A gente decorava as verdades da fé e discorria sobre elas como aula bem aprendida. A lembrança da fé como virtude teologal, como força dada por Deus para sustentar nossa vida diária na linha do bem e da justiça fez parte da formação religiosa de muitas pessoas. A fé tinha apenas caráter construtivo positivo, estava só na direção do bem a todas as pessoas. Entretanto, quando a pergunta vem depois de muitos anos vividos as respostas do Catecismo, embora conservem sua pertinência, já não fazem eco de nossa verdade, ou melhor, da verdade de minha fé nos limites de meu hoje.

O que é mesmo fé para mim? Já não tenho uma resposta ou uma definição precisa. Já não falo dela como algo seguro, coerente e claro. Já não sei determinar seus limites nem sua profundidade ou sua clara expressão. Constato apenas que esse algo que chamo ou que chamamos fé habita no claro escuro de minha vida, na mistura e na contradição que sou e que vivo. Habita o meu cotidiano, colada à minha pele e misturada às minhas entranhas.

11159506_10202875969579808_8140944302922067131_nA fé ou a adesão que faço a valores e pessoas não se expressa apenas nas coisas positivas e bonitas que desejo que habitem nosso mundo. Não vem de um Cristianismo aprendido, aquele que tinha respostas a todas as perguntas, embora as respostas fossem incompletas e parciais. Mas, a fé hoje para mim é parecida com a constatação da miséria e da grandeza humana, fé como acolhida da desproporção que nos habita, que nos faz ser sempre maiores e menores do que pensamos ser. Fé expressa de diferentes maneiras em tradições milenares de sabedoria humana que nos ajudam a acolher a inconstância e a constância variada e criativa de nossa história.

Vem-me ao espírito um texto do Evangelho em que Jesus denuncia aqueles que enxergam a palha no olho do outro e não percebem a trave que está em seu próprio olho. Nessa linha, tenho percebido nossa maior ou menor cumplicidade na construção da violência e da crueldade no mundo, sobretudo quando apontamos em primeiro lugar para a irresponsabilidade e a injustiça dos outros. É quase espontâneo em nós descobrir primeiro os culpados ou os inimigos que de certa forma perturbam a justiça social que imaginávamos. Aqueles que não são como eu ou não pensam como eu me incomodam. Até certo ponto essa atitude nos isenta da responsabilidade social pessoal e da apreensão do pluralismo que nos caracteriza. É comum que nos acusemos mutuamente de traidores ou de egoístas quando nosso bem próprio ou nossas ideologias estão em jogo.

10456439_656589014430131_6092409093852436923_nA fé tem a ver com a acolhida dessa massa humana misturada da qual somos parte. Tem a ver com a limitada realidade de nosso corpo marcado pela complexidade de sua constituição. A fé é um ingrediente fundamental na complexa história de nossa vida. Está presente na mistura de tudo com tudo… Na farinha e no fermento, na massa sovada, descansada e finalmente levada ao forno. Está no pão partilhado, no pão falsificado, no pão roubado. Está na lenha que se acendeu e assou o pão. Está no comércio do pão e em todos que o comem.

Creio em nossa responsabilidade coletiva na manutenção ou na tentativa de sanar o desejo de tirar proveito das pequenas e grandes coisas. Os exemplos não faltam nas diferentes instâncias da vida familiar e social. Quem nunca se aproveitou de uma situação em beneficio próprio? Quem nunca atirou pedras sobre os outros, sabendo-se merecedor de outras tantas? Quem nunca aceitou glórias e benefícios mesmo sabendo-se pouco merecedor? Quem nunca mentiu para sair-se bem ou para ocultar uma situação embaraçosa? Quem nunca usou do nome de Deus para esconder-se de si mesmo e dos outros? Somos trevas e luz… A fé está em nossa carne, esta carne que se entrega às vezes às pequenas e grandes corrupções e às vezes a grandes e pequenas causas. Move-se de muitas maneiras dentro de nós mesmos. No fundo, nós e nossa fé somos um. Marcados por nossa história, nossos medos, nossas paixões e nossos interesses. Além disso, ela é também o grito fundo que me acorda do torpor egoísta e me faz perguntar pelo outro, por meu vizinho, por minha filha, pela criança caída na estrada… Outras vezes está na pura beleza da aurora de um novo dia, ou no entardecer luminoso de certos dias de outono ou num sorriso ou num olhar que desmancha nosso coração de prazer.

 Espero que…

1202ft32CLTPor isso espero… Que o coração humano não seja soberbo e ganancioso. Que nos eduquemos para não desequilibrar a instável balança de nossa vida, para não destruir a beleza que nos rodeia, para não ficar indiferente à dor alheia, para não sermos os únicos a participar do banquete de maravilhas que a Terra azul nos oferece. Minha fé e minha esperança se encontram, se dão as mãos, se assemelham, se misturam, se atraem, se conflitam, vivem uma da outra.

O que espero não são os novos céus e nova terra. O que espero não é a visão beatífica e a vitória total do bem… O que espero não é a Justiça total. Isto me deixaria até embaraçada, pois não sei qual seria esse Bem maior ou essa Justiça total imaginada por tantos. Prefiro evitar os totalitarismos do bem, assim como tentamos evitar os totalitarismos do mal. Sei que ‘céus’, ‘terra sem males’, ‘bem absoluto’ são imagens tecidas de culturas passadas. Sei que são linguagens a serem sempre decifradas de novo, visto que nutriram e nutrem os segredos de vida e as esperanças de muitas e de muitos.

Piso no chão, nas ruas empoeiradas, respiro a poluição, ouço lamentos e gargalhadas de prazer. Como agrotóxicos e bebo água imprópria para o consumo. Caio em armadilhas inesperadas. Tenho frio e muito calor. Tenho fome e excessos de gorduras. Vivo nesta carne e é dela que espero algo porque é nela e dela que vivo. Esta carne que somos nós, corpo da terra, animal, vegetal, marinha, humana é o lugar de minha esperança. Esperança em pequenas coisas, em pequenos gestos capazes de revolver a terra seca que nos tornamos, de fazer voltar carne e músculos e ternura nos corações de pedra que construímos. Crianças saciadas, gostando de ler e escrever, alfabetizadas e letradas. Adultos vivendo para além da ganância e da competição… Fim da produção de armamentos… E há ainda tantas outras boas coisas! Será que dizendo isso estou fugindo do concreto, tirando os pés do chão, levitando nos ares? Creio que um pouco, sim… Esperar para além de toda a esperança é próprio dos seres humanos. O impossível inclui o possível. E, a poesia é uma forma de esperar para além das esperanças, de comparar o azul do céu aos olhos da amada, o vento balançando as folhas do coqueiro aos cabelos da morena, o lobo e o cordeiro comendo no mesmo prato. Sem essa dose de esperança louca para além das esperanças, a humanidade deixaria de ter sonhos e de fazer poesia. A humanidade deixaria de ter fé na sua capacidade de destruir as armas de guerra e torná-las pás e arados para preparar a nova semeadura, deixaria de apostar de novo no amor e na justiça apesar dos muitos enganos.

Sim eu creio, tenho fé e espero… No pão partilhado de cada dia, na acolhida ao estrangeiro, no cuidado ao órfão e ao velho, ao drogado e ao alcoólatra, às vítimas de tantas guerras… Eu creio, apesar do real escurecido que meus olhos veem hoje… Espero que as portas de alguns juízes iníquos se abrirão para atender as viúvas, que alguns governantes abraçarão o direito e a justiça e algo será um pouco melhor nas relações humanas. Eu creio e espero que o calafrio que atravessa meu corpo quando capto a distância entre o que sou e o que faço me convidem sempre de novo a renovar a difícil unidade entre eu e eu mesma. Calafrio incômodo e salutar ao mesmo tempo, pois abre a possibilidade da conversão, do aproximar-se de novo, do acreditar uma vez mais que o coração humano é apenas um frágil músculo de carne. Os nomes que essas experiências recebem segundo as diferentes tradições religiosas e filosóficas não têm muita importância… Os dogmas, as teorias, as grandes sínteses do pensamento, as grandes “revelações divinas” compiladas em livros sagrados não poderão nos ensinar nada se nosso coração não for capaz de enternecer-se diante de um homem faminto, de uma criança chorando de abandono, de uma mulher violada, de um estrangeiro buscando um lugar para viver. O provisório da vida é o chão que pisamos e, é nele, que a fé e a esperança crescem. Por isso, a fé e a esperança nas coisas pequenas e aparentemente insignificantes nutrem a minha vida, fazem minha vida, sustentam minha vida.

Ivone-GebaraIvone Gebara, filósofa e teóloga feminista/ecofeminista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s