Três em um, um Deus plural.

trindade
André Rublev.

Celebra-se hoje, entre cristãos, o mistério – e que mistério! – da Santíssima Trindade.

 
O bonito disso, e compreensível também por não-crentes, é esse reconhecimento da diversidade, do múltiplo, do gregário. Em todos os aspectos da vida, em toda a natureza.
 
O monoteísmo não pode ser monotemático. “Sou vário, sou plural, sou mil”, dizia Mário de Andrade. Somos semelhantes a esse Deus da Trindade. Segundo frei João Reinert, franciscano, “o Pai/Mãe ama, o Filho/a é o amado, o Espírito é o amor, e é próprio do amor transbordar”. Criador, criatura, criação!
 
Qualquer totalitarismo unicista, que pretenda reduzir nossa pluralidade, é redutor, medíocre. Somos todos iguais, mas todos diferentes!
Chico Alencar

Pedro Casaldaliga: A PAZ inquieta!

63489_647540931938919_1849473332_n
Arte: Aurélio Fred (retirado da página Ateliê 15)

 

A paz inquieta

Dá-nos, Senhor, aquela PAZ inquieta
Que denuncia a PAZ dos cemitérios
E a PAZ dos lucros fartos.

Dá-nos a PAZ que luta pela PAZ!
A PAZ que nos sacode
Com a urgência do Reino.
A PAZ que nos invade,
Com o vento do Espírito,
A rotina e o medo,
O sossego das praias
E a oração de refúgio.
A PAZ das armas rotas
Na derrota das armas.
A PAZ do pão da fome de justiça,
A PAZ da liberdade conquistada,
A PAZ que se faz “nossa”
Sem cercas nem fronteiras,
Que é tanto “Shalom” como “Salam”,
Perdão, retorno, abraço…
Dá-nos a tua PAZ,
Essa PAZ marginal que soletra em Belém
E agoniza na Cruz
E triunfa na Páscoa.

Dá-nos, Senhor, aquela PAZ inquieta,
Que não nos deixa em PAZ!

Pedro Casaldáliga.

*Poesia postada no blog na ocasião do aniversário de 88 anos deste amado bispo, poeta e profeta da América Latinanesta última terça-feira, 17 de fevereiro de 2016.

Quarta-feira de cinzas.

Iniciamos a Quaresma com o rito das Cinzas que nos faz lembrar o início e a finitude da nossa breve temporada por este mundo: “lembre-se que você é pó e, ao pó vai voltar”. Não se trata de uma predição, mas de uma real constatação. Não é um vaticínio de mau agouro, mas serena compreensão da presença humana no harmônico concerto da criação. Em processo evolutivo, o universo narra a glória de Deus. Há 52 anos a Igreja no Brasil promove a Campanha da Fraternidade durante a quaresma. Renovado apelo para que tornemos históricos e reais os ritos celebrados neste tempo santo. “Casa Comum, nossa responsabilidade” é o tema da CF/16. O lema: “quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24) – convoca à conversão. Inacreditavelmente, sob os sinais das cinzas, o movimento pascal segue seu curso. (Memorial do Senhor – Paróquia N. Senhora do Carmo. Diocese de São Miguel Paulista)

campanha-fraternidade-2016-cartaz

Carnaval Incessante

2015_12_legenda 2_entrevista bonavia 2_ecumenica.org.arNeste Carnaval, quero baile à fantasia e a loucura insaciada dos que desfilam em blocos seus desejos irrefreáveis. Arrancarei do coração uma por uma de minhas máscaras: do cínico, do farsante e do pusilânime.

Cantarei marchinhas no coro dos anjos e clamarei em altos brados todos os efes da fartura brasileira: fé, festa, feijão, farinha e futebol.

Segredarei à porta-estandarte o ritmo de minha respiração compassada e compassiva. Desatolado de todas as alegorias, entrarei em meditação em pleno apogeu do recuo da bateria.

Cessado o burburinho das ruas, esmaecidas as luzes, adormecidos os foliões, atravessarei sozinho o Sambódromo e recolherei pelo chão as sombras das tristezas fantasiadas de júbilo, das lágrimas contidas no ritual do riso, das ilusões defraudadas pela realidade. Deixarei ali os retalhos dessa descomplacência que me atordoa o espírito, na esperança de que a magia do próximo desfile exiba, em solene pompa, essa represada voracidade amorosa. Continuar lendo