Pedro Casaldaliga: A PAZ inquieta!

63489_647540931938919_1849473332_n
Arte: Aurélio Fred (retirado da página Ateliê 15)

 

A paz inquieta

Dá-nos, Senhor, aquela PAZ inquieta
Que denuncia a PAZ dos cemitérios
E a PAZ dos lucros fartos.

Dá-nos a PAZ que luta pela PAZ!
A PAZ que nos sacode
Com a urgência do Reino.
A PAZ que nos invade,
Com o vento do Espírito,
A rotina e o medo,
O sossego das praias
E a oração de refúgio.
A PAZ das armas rotas
Na derrota das armas.
A PAZ do pão da fome de justiça,
A PAZ da liberdade conquistada,
A PAZ que se faz “nossa”
Sem cercas nem fronteiras,
Que é tanto “Shalom” como “Salam”,
Perdão, retorno, abraço…
Dá-nos a tua PAZ,
Essa PAZ marginal que soletra em Belém
E agoniza na Cruz
E triunfa na Páscoa.

Dá-nos, Senhor, aquela PAZ inquieta,
Que não nos deixa em PAZ!

Pedro Casaldáliga.

*Poesia postada no blog na ocasião do aniversário de 88 anos deste amado bispo, poeta e profeta da América Latinanesta última terça-feira, 17 de fevereiro de 2016.

Quarta-feira de cinzas.

Iniciamos a Quaresma com o rito das Cinzas que nos faz lembrar o início e a finitude da nossa breve temporada por este mundo: “lembre-se que você é pó e, ao pó vai voltar”. Não se trata de uma predição, mas de uma real constatação. Não é um vaticínio de mau agouro, mas serena compreensão da presença humana no harmônico concerto da criação. Em processo evolutivo, o universo narra a glória de Deus. Há 52 anos a Igreja no Brasil promove a Campanha da Fraternidade durante a quaresma. Renovado apelo para que tornemos históricos e reais os ritos celebrados neste tempo santo. “Casa Comum, nossa responsabilidade” é o tema da CF/16. O lema: “quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24) – convoca à conversão. Inacreditavelmente, sob os sinais das cinzas, o movimento pascal segue seu curso. (Memorial do Senhor – Paróquia N. Senhora do Carmo. Diocese de São Miguel Paulista)

campanha-fraternidade-2016-cartaz

Dom Helder: um olhar sobre a cidade

531853_407548926002665_1378601545_nQuando um Leigo, uma Religiosa ou um Padre são amigos de verdade dos Pobres e fazem de tudo para ajudá-los – com alimentos, roupas, remédios, consertos de casa, pagamento de dívidas – como são entendidos e louvados… Se este mesmo Leigo, esta Religiosa, este Padre, sempre por amor aos Pobres, e sem deixar de acudi-los em suas necessidades começam a falar em direitos dos Pobres e em deveres dos Ricos, começam a falar em justiça, acabou-se a compreensão. Parece que eles foram mordidos por Pessoas perigosas e que estão assumindo uma linguagem perigosa, entrando de política a dentro e, se não são comunistas, estão fazendo o jogo deles… Nada disso! Eis como o problema se coloca. Caridade é Amor. Amor é Deus. O Amor e a Caridade são infinitos como Deus. Ninguém é capaz de abranger totalmente o Amor, a Caridade, como ninguém pode abranger totalmente a Deus. Quase que cada geração ou cada século descobre alguns ângulos de Caridade. Ora, o nosso tempo é marcado por injustiças terríveis. As Nações Unidas dizem certo quando afirmam que, em nossos dias, mais 2/3 da Humanidade se acham em condição abaixo da condição humana, sub-humana, de miséria e de fome. Em áreas como a nossa, a realidade aí está, tristíssima, confirmando plenamente o que as Nações Unidas proclamam. Sendo assim – e é assim – guardando sempre o cuidado de acudir o Irmão ou a Irmã que está em necessidade e precisando de nós, a Gente acaba descobrindo que uma das grandes Caridades do nosso tempo é ajudar a obter justiça, no amor. Que vai haver levante pela justiça, vai. Os Cristãos não queremos ódio em nosso coração. Sabemos que o ódio é o contrário do Amor. Deus é amor, o Ódio é o anti-Deus. Os Cristãos sabem que violência atrai violência e sabem, ainda mais, que é loucura apelar para as armas. Nossas armas são diferentes. Cremos em nosso irmão, não para pisar direitos dos outros, mas para não deixar que ninguém venha pisar os direitos do Povo, que não são presentes, nem de Governo, nem de Ricos. São presentes do Criador e Pai. Mas eis o que é curioso: aquelas mesmas Pessoas que eram louvadas e tidas como santas passam a ser julgadas como fazendo política, e sendo subversivas e comunistas. Como esquecer a 8ª Bem-aventurança, Cristo proclama felizes os que sofrem por amor da Justiça!…

(Dom Hélder Camara – 14 de agosto de 1981 – No programa “Um Olhar sobre a cidade”, da Rádio Olinda.)

Carnaval Incessante

2015_12_legenda 2_entrevista bonavia 2_ecumenica.org.arNeste Carnaval, quero baile à fantasia e a loucura insaciada dos que desfilam em blocos seus desejos irrefreáveis. Arrancarei do coração uma por uma de minhas máscaras: do cínico, do farsante e do pusilânime.

Cantarei marchinhas no coro dos anjos e clamarei em altos brados todos os efes da fartura brasileira: fé, festa, feijão, farinha e futebol.

Segredarei à porta-estandarte o ritmo de minha respiração compassada e compassiva. Desatolado de todas as alegorias, entrarei em meditação em pleno apogeu do recuo da bateria.

Cessado o burburinho das ruas, esmaecidas as luzes, adormecidos os foliões, atravessarei sozinho o Sambódromo e recolherei pelo chão as sombras das tristezas fantasiadas de júbilo, das lágrimas contidas no ritual do riso, das ilusões defraudadas pela realidade. Deixarei ali os retalhos dessa descomplacência que me atordoa o espírito, na esperança de que a magia do próximo desfile exiba, em solene pompa, essa represada voracidade amorosa. Continuar lendo

IPDM 2016: Casa comum, nossa responsabilidade

A Igreja Povo de Deus em Movimento, coletivo de paróquias, pastorais e movimentos sociais ciente dos desafios sócio-históricos colocados em pauta neste ano na sociedade brasileira convoca todos/as os/as interessados/as para dois momentos especiais.

O primeiro será na Paróquia São Francisco de Assis, no Ermelino Matarazzo onde receberemos o teólogo Leonardo Boff para um debate sobre “Ecologia e meio ambiente: A ação da juventude e das organizações sociais para garantir cidadania à todas/os”.

O segundo será o tradicional ENCONTRÃO GERAL IPDM para discutir a Campanha da Fraternidade, contando com a presença das assessoras Moema Miranda e Raquel Rolnik, dando uma (outra) abordagem possível sobre “Casa comum, nossa responsabilidade”.

Evento: https://www.facebook.com/events/1669226993341905/

BOFF-MIRANDA - ROLNIK