Mensagem do Papa Francisco ao Cardeal Arns

Ao Nosso venerável Irmão, o Cardeal Paulo Evaristo Arns, OFM, Arcebispo emérito de São Paulo.

13516680_301707560163501_6180110928408809267_nNo Ano da Misericórdia, na festa do Apóstolo São Tomé, Venerável Irmão Nosso, que há 6 meses completaste com alegria o septuagésimo ano de sacerdócio e, no próximo dia 3 de julho, terás a felicidade de celebrar teu jubileu áureo episcopal, contigo exultará toda tua Província religiosa da Imaculada Conceição da Bem aventurada Virgem Maria e também a inteira Ordem dos Frades Menores, uma vez que por muitos anos desempenhaste vários encargos na Família Franciscana.

Continuar lendo

Sobre o combate ao Kyriocentrismo

10995450_1008328629194496_6084714743704679389_nO feminino caminho à Deus e caminho de Deus, significa não só o sexo feminino mas significa o feminino em nós, mulheres e homens, como o masculino em nós mulheres e homens, e esse feminino e masculino que somos cada um de nós, é capaz de se aproximar da outra e do outro. Ouvir, ver e sentir sua dor e seu lamento. E dizer, primeiramente baixinho: o amor se fez carne em mim, e se o amor se fez carne em mim, e em nós, tudo pode ser manifestação desse amor, como tudo pode ser manifestação do desamor. Então eu acredito que esse Espírito de vida que está em cada gênero, em cada sexo, em cada ser sexuado e que está também nos seres animais, vegetais e no universo inteiro, esse espírito está nos chamando para termos uma especial atenção à vida das mulheres que sofrem violência domestica, violência social, do trabalho, dos meios de comunicação e violência das igrejas.

ivone
Ivone Gebara,
filósofa e teóloga feminista/ecofeminista. Ocasião em que proferiu a homilia da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Itaquera, São Paulo, o tema: “O Feminino caminho de Deus e caminho a Deus”.

Cristo Rei

12239594_858725840909053_5749967401463267558_nEstamos na última semana do ano litúrgico encerrado domingo passado com a festa de Cristo, Rei do Universo. Ainda sob inspiração desse título dado ao Senhor Jesus, vale lembrar: Os cristãos católicos, ortodoxos e evangélicos têm Jesus como o centro de suas vidas e da História. Não significa que devam impor a todos os seres humanos sua crença. Antes, porém, pelo batismo, devem testemunhar o Evangelho do seu Senhor como serviço à humanidade. Agradecemos à providência divina ter-nos preparado um Papa, neste terceiro milênio, que encaminha a Igreja para o testemunho da “cultura do encontro” e para sua singular contribuição com os “processos históricos” de inclusão social e de “cuidado para com a Casa Comum”. Que os cristãos, sobretudo, católicos, assumam, com o Papa Francisco, a reforma da Igreja na humilde confissão de que “Jesus Cristo é o Senhor”. Lembrando sempre que o seu “reino não é daqui” (Jo 18 36)
AutorPadre Paulo Bezerra.
Igreja Povo de Deus em Movimento.

Minha fé

por Ivone Gebara.

Parece tão simples discorrer sobre a fé se apenas repetirmos o Catecismo que nos foi ensinado. A gente decorava as verdades da fé e discorria sobre elas como aula bem aprendida. A lembrança da fé como virtude teologal, como força dada por Deus para sustentar nossa vida diária na linha do bem e da justiça fez parte da formação religiosa de muitas pessoas. A fé tinha apenas caráter construtivo positivo, estava só na direção do bem a todas as pessoas. Entretanto, quando a pergunta vem depois de muitos anos vividos as respostas do Catecismo, embora conservem sua pertinência, já não fazem eco de nossa verdade, ou melhor, da verdade de minha fé nos limites de meu hoje. Continuar lendo

Polícia e direitos humanos

16ago2015---moradores-jardim-munhoz-junior-em-osasco-na-grande-sp-protestam-pedindo-a-o-fim-da-pm-e-a-apuracao-da-chacina-que-aconteceu-na-regiao-e-deixou-18-mortos-a-suspeita-da-policia-civil-e-que-1439757733120_956x500

O principal desafio para os defensores dos direitos humanos e para quem sonha com políticas de segurança pública baseadas na promoção de cidadania é superar  a oposição entre polícia e direitos humanos. Esse é o pano de fundo de dramas cotidianos provocados pela política de guerra as drogas, da qual não há vencedores. A tragédia carioca, paulistana e brasileira é ver homens de preto, quase todos pretos, matando homens pretos. Continuar lendo

Dom Enrique Angelelli: Profeta e Bispo dos Pobres

topic

ARGENTINA * 04/08/1976

Um autêntico pastor, segundo o Evangelho dos Pobres, em La Rioja Argentina, “Terra Adentro”. Solidário com seu povo, foi perseguido, intimado e viu martirizados seus colaboradores mais íntimos. Exemplo maior na tradição da teologia da libertação.

Enrique Angelelli era bispo da província de La Rioja, na Argentina, quando foi morto no dia 4 de agosto de 1976, pelo regime militar daquele país. Há dois anos, ao completar os 30 anos da morte do bispo, cuja vida e ação ficaram fortemente arraigadas na vida da igreja e da sociedade argentina, o governo de Néstor Kirchner reabriu o caso,  investigando se realmente foi simplesmente um acidente automobilístico que matou o bispo.

Sentiu a solidão episcopal. Mas continuou fiel. “É preciso seguir andando”, repetia. “Como um ouvido ao Evangelho e outro ao Povo”.“Não precisa ter medo de se meter no barro”.

Odiado pelos latifundiários e pela ditadura militar, caiu no meio do caminho, com os braços abertos em cruz, num acidente fingido. A opinião pública nacional e internacional e até a declaração de alguns carrascos desvendaram a verdade. Agora, se completando os trinta e oito anos de seu martírio, o testemunho deste bispo, profeta e amigo do povo, cresce como uma das mais autênticas glórias da Igreja Latino-americana. O papa Paulo VI tinha por ele particular estima e o apoiou nas horas difíceis.

Para saber mais: Angelelli, a voz do bispo mártir

11825756_1605557533050911_4034708960775079633_n

TOMAR AS RUAS POR DIREITOS, LIBERDADE E DEMOCRACIA!

11169467_951672041537794_6412636325505943898_n

TOMAR AS RUAS POR DIREITOS, LIBERDADE E DEMOCRACIA!
Contra a direita e o ajuste fiscal!

Estaremos nas ruas de todo o país neste 20 de agosto em defesa dos direitos sociais, contra a ofensiva da direita e em defesa de saídas populares para a crise.

– Contra o ajuste fiscal! Que os ricos paguem pela crise!
A política econômica do governo joga a conta da crise nas costas do povo e gera desemprego. Ao invés de atacar direitos trabalhistas, cortar investimentos sociais e aumentar os juros, defendemos que o governo ajuste as contas em cima dos mais ricos, com taxação das grandes fortunas e auditoria da dívida pública.

– Fora Cunha: Não às pautas conservadoras e ao ataque a direitos!
Eduardo Cunha representa o retrocesso e um ataque à democracia. Transformou a Câmara dos deputados numa Casa da Intolerância e do ataque a direitos. Somos contra a pauta conservadora e antipopular imposta pelo Congresso: Terceirização, Redução da maioridade penal, Contrarreforma Política (financiamento privado de campanha, restrição de participação em debates, etc.) e a Entrega do pré-sal às empresas estrangeiras.

– A saída é pela Esquerda, com o povo na rua, por Reformas Populares!
É preciso enfrentar a estrutura de desigualdades da sociedade brasileira com um projeto popular e de esquerda. A saída será pela mobilização nas ruas, defendendo as Reformas necessárias para o Brasil: Reforma Tributária, Urbana, Agrária, Democratização das comunicações e do sistema político.

A rua é do povo!
20 de Agosto em todo o Brasil! Continuar lendo