Minha fé

por Ivone Gebara.

Parece tão simples discorrer sobre a fé se apenas repetirmos o Catecismo que nos foi ensinado. A gente decorava as verdades da fé e discorria sobre elas como aula bem aprendida. A lembrança da fé como virtude teologal, como força dada por Deus para sustentar nossa vida diária na linha do bem e da justiça fez parte da formação religiosa de muitas pessoas. A fé tinha apenas caráter construtivo positivo, estava só na direção do bem a todas as pessoas. Entretanto, quando a pergunta vem depois de muitos anos vividos as respostas do Catecismo, embora conservem sua pertinência, já não fazem eco de nossa verdade, ou melhor, da verdade de minha fé nos limites de meu hoje. Continuar lendo

Anúncios

Razões de esperanças: O sonho e a luta dos Povos Indígenas!

Dom Erwin Krautler* em pronunciamento feito na Assembleia Nacional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em Aparecida do Norte, no dia 22-02-105.

img_4003

INTRODUÇÃO

“Prontos a dar razão da esperança” 1 Pd 3,15

Tomo mais uma vez a liberdade de descrever o avanço da dura e conflitiva realidade dos povos indígenas no Brasil. Faço-o no intuito de não apenas relatar atos e omissões, dados e números, mas sim de tocar o coração dos pastores e de todos os homens e mulheres da nossa Igreja. Volto a repetir o que o Dr. Rubens Ricupero falou na aula que deu a essa Assembleia Geral sobre a atual conjuntura político-social: “A sociedade brasileira será julgada pela maneira como trata os mais fracos e frágeis”. Importa conhecer de perto esses “fracos” e “frágeis” e mais ainda as causas e os motivos de sua vulnerabilidade. São sempre pessoas de carne e osso. E entre elas sobressaem os indígenas, os verdadeiramente autóctones deste país maravilhoso. Já milhares de anos atrás seus antecedentes longínquos habitavam esse continente[1]. Muitos têm sobrenomes que identificam o povo a que pertencem. São mulheres e homens, crianças, jovens, adultos, idosos, feitos à imagem e semelhança de Deus (cf. Gn 1,27) a quem são negados os direitos fundamentais à vida, às suas terras ancestrais e de serem diferentes em seus costumes e tradições, culturas e línguas.

Papa Francisco e Dom Erwin Krautler.
Papa Francisco e Dom Erwin Krautler.

Ouço e interpreto o apelo de nosso Papa Francisco na Bula que proclama o Jubileu Extraordinário da Misericórdia “Misericordiae Vultus” também no contexto dos povos indígenas: “Abramos os nossos olhos para ver as misérias do mundo, as feridas de tantos irmãos e irmãs privados da própria dignidade e sintamo-nos desafiados a escutar o seu grito de ajuda. As nossas mãos apertem as suas mãos e estreitemo-los a nós para que sintam o calor da nossa presença, da amizade e da fraternidade. Que o seu grito se torne o nosso e, juntos, possamos romper a barreira de indiferença que frequentemente reina soberana para esconder a hipocrisia e o egoísmo” (MV 15).

Continuar lendo

A evangelização da juventude e o protagonismo juvenil.

Por Eduardo Brasileiro.
 
‘Ritualismos’ e opções pela ‘fuga do mundo’ são a marca majoritária da evangelização das juventudes na Igreja do Brasil.

 

Opção cenográficas que se assemelham a shows buscam fragilizar os participantes para assim se verem tomados por
Celebrações espetáculos, ritualizações da fé, através de discursos e ambientações focadas em mastigar a sensibilidade do jovem e transformá-lo num ser cheio de sofrimento e de pecados, culminando em sua recuperação quando “se encontra com Cristo”. E, sobretudo, a infantilização e dependência do jovem para com a igreja na sociedade de hoje.
 
 
O assunto de evangelização da juventude pouco volta à tona no meio eclesial, bem como nos reduzidos espaços de formação das pastorais da juventude no país. No entanto, a sua perda de prioridade nos condiciona a viver uma histeria coletiva de tendências do marketing e da indústria cultural dentro da igreja e, sobretudo, nas práticas rituais.
 
Em todo o Brasil a prática mais utilizada para evangelizar jovens é tentar afastá-lo do mundo, como se o mundo fosse objeto de afastamento e não de inserção para solucionar seus problemas.
Em todo o Brasil a prática mais utilizada para evangelizar jovens é tentar afastá-lo do mundo, como se o mundo fosse objeto de afastamento e não de inserção para solucionar seus problemas.

Encontros de jovens nas igrejas são marcados principalmente por shows (cristotecas, “barzinhos de Jesus”, etc), celebrações espetáculos, ritualizações da fé, através de discursos e ambientações focadas em mastigar a sensibilidade do jovem e transformá-lo num ser cheio de sofrimento e de pecados, culminando em sua recuperação quando “se encontra com Cristo”. E, sobretudo, a infantilização e dependência do jovem para com a igreja na sociedade de hoje.

 
Poderíamos ficar horas discutindo cada aspecto inerente a esses momentos. No entanto, haja vista que carecemos de espaços de discussão de outras possibilidades, me lanço na contramão do discurso homogêneo de evangelização da juventude e insisto na proposta de um evangelho encarnado no meio do povo e uma espiritualidade engajada em descobrir Jesus nas pessoas, numa proposta reinocêntrica.
 
A prática mais comum dos ensinamentos com a juventude é o enfrentamento com o mundo – onde tudo é mal -, e a criação de um espaço de “fuga da realidade”, fomentando a contenção da discussão dos processos de evolução da adolescência, juventude e a fase adulta, confluindo numa imposição de leis que serão determinantes no amadurecimento, ora de um sujeito fundamentalista, ora de um indivíduo decepcionado com o papel da religião em sua formação.
 
O Papa Paulo VI, implementador das decisões do Concilio Vaticano II, escreveu em 1974, na “Evangelii Nutiandi”,  que “entre evangelização e promoção humana existem laços profundos”. De tal modo, não se pode pensar a evangelização como ação eclesial sem que as preocupações com a promoção humana lhe acompanhem. Ou seja, a preocupação da igreja não deve ser sua autoafirmação nos espaços públicos, com ritualismos e marchas louvando o ego ou um sentimento de pertença a um grupo. Muito pelo contrário, é debruçando-se sobre o ser humano, com todo homem e mulher, e em sua plenitude, é isso que trabalhou a Teologia da Libertação em dar linhas para se pensar uma Pastoral da Juventude.
 
Papa Francisco em visita ao Brasil em 2013, na ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
Papa Francisco em visita ao Brasil em 2013, na ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

Falando em Papa, Francisco optou, a partir de sua raiz latino-americana, enquanto líder da igreja, por humanizar o papado, fortalecendo gestos, preocupações e palavras que encantem os menores. Frisando ações de protagonismo. E, se protagonismo é mover-se, movimentar-se, neste sentido, vale lembrar o difícil gesto da alteridade dentro da prática das juventudes: a missão. Segundo o Papa Francisco no Brasil em 2013, na ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): ‘Eu peço que vocês sejam revolucionários, que vão contra a corrente; sim, nisto peço que se rebelem: que se rebelem contra esta cultura do provisório’ [1]O trabalho com as juventudes implica envolver sua espiritualidade nos tantos marginalizados do nosso tempo.

Debruçar-se sobre a violência contra a mulher nas periferias e nas igrejas, impregnadas do machismo que julga seu corpo, suas vestes e suas escolhas; sobre o genocídio da juventude negra no Brasil; sobre a intolerância religiosa para com as religiões de matriz africana; ou os diversos casos de morte por homo-lesbotransfobia (palavra que não nos deveria parecer estranha); e, sobretudo, sobre a destruição da terra e a morte dos povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas. Reconhecer o protagonismo da juventude deve significar um novo olhar sobre aspectos como a equidade de gêneroidentidade negra, ecumenismo, os direitos LGBTS, dentro e fora de nossas igrejas, além do resgate de elementos da cultura indígena sobre o bem viver (sumak kawsay) em nossa espiritualidade.

Campanha Contra o Extermínio da Juventude da Pastoral da Juventude Nacional
Campanha Contra o Extermínio da Juventude da Pastoral da Juventude Nacional

O desafio da evangelização no século XXI é considerar a importância da religião como espaço de aprimoramento, reconhecimento e engajamento de seus dons a partir da proposta de vida comunitária (reinocêntrica), indo na contramão da sociedade de mercado que tudo mercantiliza, consome e depois descarta. O jovem necessita se reconhecer em outros, por isso a importância das rodas, danças circulares, debates sobre a situação social e econômica de sua comunidade e do mundo, de modo que forje sua maturidade para enfrentar os problemas sociais. Se faz necessário ainda vivenciar seu corpo – sem castrações (proibir sexo) -, e repensar o desenvolvimento de seus desejos e sabores, com responsabilidade e cuidado. 

Desse modo, vivências, dinâmicas, facilitações e experiências de encontros com o outro o permitirão dialogar sobre esses processos, e não o oprimir, na descoberta de uma vida afetiva sadia, cordial e aberta ao pluralismo contemporâneo. Por último, desenvolver uma compreensão histórica, fundamentada na espiritualidade do caminho dos mártires da nossa terra, de uma compreensão do reino, da importância da missão e de um horizonte, no qual a fé deve transpassar a vida em serviço e paixão pelos outros.

 

Pastoral da Juventude: Em busca de uma espiritualidade libertadora
Pastoral da Juventude: Em busca de uma espiritualidade libertadora
Nessa tríade se firma o fundamento sobre qual a evangelização da juventude, ou melhor, a educação no seguimento de Jesus, deve ser praticada, numa pedagogia popular, circular e protagonista, que se encontra na comunidade, no corpo e na alma.
 
AutorEduardo Brasileiro,
Sociólogo, coordena a Pastoral da Juventude em Itaquera e é membro da Igreja Povo de Deus em Movimento.

CATOLICISMO E HOMOAFETIVIDADE – PARTE II

(CONTINUAÇÃO)
Eduardo Galeano - Sonhando um corpo como festa

Por Padre Paulo Bezerra.

  1. Há um “novo arco-íris” no cenário
                A novela “Amor à vida”, da Globo, no último capitulo levado ao ar no dia 31 de janeiro de 2014, saciou o desejado e esperado “beijo gay”, protagonizado pelos personagens Félix e Niko, interpretados respectivamente pelos atores Mateus Solano e Thiago Fragoso. Os pontos de audiência subiram aos píncaros entre ovações de vitória (talvez a maioria dos espectadores) e impropérios de condenação. As novelas não impõem padrões comportamentais. Elas expõem o que está por aí…

            A revolução econômica e política depois dos anos 70, – lembra-nos Comblin, – transferiu Corpos entrelaçados“poderes com repercussões imensas na vida diária das pessoas como na vida social” – a revolução cultural. “Um elemento importante dessa revolução foi, e ainda é, a crítica sistemática de todas as instituições, denunciadas como máquinas de poder e de repressão da liberdade e da personalidade individual” [1]. Não escapou nenhuma das instituições, a começar pela família, educação, Igreja(s) chegando hoje à feroz crítica do Estado estampada nas manifestações de rua que, sobretudo a partir de junho de 2013, evidenciaram que o “gigante acordou”. Ainda impossível prever se acordou de um sonho, apenas, ou se despertou para forjar uma “nova aurora”… Desprestigiadas pela crítica e evidenciada a sua decadência inúmeras instituições e associações entraram no caminho da corrupção que, no dizer de Comblin, “se tornou a nova instituição social”.

            A “revolução cultural” traz a marca do “despertar da liberdade pessoal” e trouxe muitos “valores positivos” e, sobretudo, “valores definitivos contra os quais é em vão lutar”. Enumera-os Comblin: a emancipação da mulher; o despertar da consciência de liberdade dos jovens, “ainda que contaminada pelo consumismo”; uma consciência religiosa libertada do “estilo penitencial de espiritualidade” calcada sobre as exigências de sacrifícios e mortificações em vista dos méritos diante de Deus-juiz. “Depois da revolução cultural, milhões de homens e, sobretudo, de mulheres saíram da Igreja, não por motivos de doutrina ou de crenças, mas porque não aceitavam mais o estilo penitencial da espiritualidade que se ensinava. (…) o que rejeitam não são os dogmas, menos ainda o Evangelho, mas a austeridade de vida, a preocupação constante pelo pecado e o medo que se infundia na consciência do pecador. Os jovens fogem disso como da peste. Não querem nem saber ” [2].

            Depois de séculos de “espiritualidade penitencial” sem páscoa parece-nos “tatuada”, na alma católica, a compreensão de sexo como pecado. Sedimentou-se tal tipo de compreensão filosófico-religiosa de natureza humana como “algo, um conteúdo mais ou menos fixo ou mais ou menos imutável ao qual atribuímos este conceito. Com frequência ouvimos expressões como: ‘isto é da natureza’, ‘isto é contra a natureza’, ‘os seres da natureza’, ‘pecados contra a natureza’ e assim por diante. (…) Estabeleceu-se desta forma uma ordem natural que muitas vezes foi identificada à vontade de Deus ou mais precisamente, à vontade de um conceito sobre Deus. (…) Criou-se assim uma espécie de limite entre a vontade de Deus e a vontade dos seres humanos, como se fosse uma barreira que não poderá ser ultrapassada, uma barreira que funciona igualmente como limite para a vida e a moralidade dos seres humanos” [3] .

Exposição: Todos podem ser Frida, São Paulo. 2014.
Exposição: Todos podem ser Frida, São Paulo. 2014.

Em todas as épocas e em todas as culturas, no entanto, houve mulheres e homens que sentiram atração por pessoas do próprio sexo. A satisfação de desejos e prazeres está aí a questionar certa visão de “lei natural”. É possível falar da homoafetividade como uma constante na história da humanidade. São preconceituosas as teorias de que os “desejos homossexuais só haveriam de manifestar-se em sociedades que se encontram em situação de declínio. As artes e literaturas de todas as épocas descrevem relações sexuais e de amizade, aventuras e histórias de amor entre pessoas do mesmo sexo. Tais descrições são provenientes de sociedades e de desenvolvimentos de toda espécie, prósperos e em declínio[4].

            Há um “novo arco-íris” no cenário contemporâneo. A “saída do armário” tomou conta das mega-manifestações das Paradas Gays. “A partir de meados da década de 70, o tema do amor homossexual começou a furar a barreira da censura e dos setores mais reacionários, para chegar até as capas de revistas de circulação nacional – caso da Isto é que, dois anos antes da Time, apresentou em sua capa duas mãos masculinas ternamente enlaçadas” [5]. Na mesma intensidade e direção foram o teatro e o cinema.

            O “novo arco-íris” LGBTs surge depois de catastróficas tempestades e torrenciais chuvas de granizos condensadas pelo gelo da homofobia levada às mais baixas temperaturas pelo pensamento único e deontológico. A bandeira foi desfraldada de tal maneira que recolhê-la será contrassenso . Suas sete cores não se impõem. Tão somente se expõem e se apresentam. Como o Arco da Aliança do Livro Sagrado do Gênesis mendiga também  um lugar novo para a humanidade: nunca mais o antigo dilúvio! Convida à comunhão, ao prazer, à festa, à fecundidade de todo relacionamento, mesmo que nem sempre reprodutivo da espécie humana.

            A existência humana é um caleidoscópio que se reparte em cores. No dizer de Antônio Moser, “se há algo que nos intriga é o caráter enigmático da vida humana e de todos os seus componentes.  (…) Entre as questões mais enigmáticas encontram-se as que se referem à sexualidade. Por isso é compreensível que, desde sempre, e das mais diversas formas, a humanidade tenha se interrogado sobre a proveniência e o sentido desta força estranha e determinante da vida humana (…)” [6]. E, deste caleidoscópio, as mãos GLBTs não são as únicas a manipulá-lo, embora aptas a tal.

  1. Conclusão: aspirações intuitivas
                Enquanto a sexualidade for “engessada” em categorias dogmáticas (teologicamente desencarnada)… Enquanto for motivo de “curiosidade sobre a vida alheia” (antropologicamente desprezada)… Enquanto for “reprimida” (psicologicamente não considerada)… Enquanto for produto mercadológico de violência e de frustração (socialmente despersonalizada)… Enquanto for reduzida a parâmetros culturais (filosoficamente desconhecida)… Enquanto for devassada, chantageada, criminalizada… é porque “temos medo do que somos e inibimos nossas expressões naturais, uma vez que ficamos tolhidos por injunções deformadoras de nossas personalidades” (Eduardo Hoonaert).

            Vergados, então, sob a “espada de Dâmocles” rejeitamos, conscientes ou não,  que a “sexualidade é uma moradia com muitas janelas abertas para o mundo” [7].

AutorPe. Paulo Sérgio Bezerra
pároco de Nossa Senhora do Carmo – Itaquera
Diocese de São Miguel Paulista

[1] JOSE COMBLIN, op. cit., p. 40.
[2] JOSE COMBLIN, op. cit., p. 43
[3] IVONE GEBARA, “Visitando o conceito de natureza humana”, in: Concilium Revista Internacional de Teologia, 336 (2010/3), Vozes, Petrópolis, p. 141 [438] – 142 [439].
[4] NORBERT RECK, “Desejos perigosos –  o discurso católico sobre a sexualidade homossexual”, in: Concilium Revista Internacional de Teologia, 324 (2008/1), Vozes, Petrópolis, p. 14.
[5] JOÃO SILVÉRIO TREVISAN. Devassos no paraíso, Editora Max Limonad, São Paulo, 1986, p. 175.
[6] ANTÔNIO MOSER. O Enigma da Esfinge: a sexualidade. Vozes, Petrópolis, 2004, p. 21.
[7] ANTÔNIO MOSER, op. cit., p.35.

ATREVER-SE A TECER A DIVERSIDADE

Desafios para uma teologia libertadora

Por Geraldina Céspedes.

A ordem mundial estabelecida não sabe lidar com a diversidade e em muitos lugares a associa ao conflito, à violência ou à criminalidade, tal como faz com os migrantes. Não favorece a educação para a diversidade e para a boa convivência intercultural e inter-religiosa. Isso acontece também em nossas Igrejas e em nossas teologias, que muitas vezes não sabem gerenciar bem a riqueza da diversidade.

Um dos desafios da Teologia da Libertação é continuar tecendo a diversidade, tanto em nível macro quanto na vida cotidiana. A diversidade não se mostra somente nos diferentes fios e nas diferentes cores dos fios com as quais se produz um tecido, mas também nas diferentes técnicas usadas. No caso dos tecidos de teares da Guatemala, fala-se de mais de onze técnicas diferentes para tecido.

Descer da cruz todos aqueles que estão nela.
Descer da cruz todos aqueles que estão nela.

Existem quatro aspectos a considerar uma mudança radical de todas as expressões religiosas: 1) Deixar de compreender as religiões e culturas como realidades estáticas em evolução. Gosto de dizer que devem deixar de ser depósitos estagnados para ser fontes em movimento. Também aqui seria necessário deixar a visão romântica e idealizada de nossas religiões e culturas para uma visão crítica e realista; 2) Revisar a imagem de Deus, como entendemos a divindade. Está é uma questão crucial na teologia da libertação, visto que todos e todas funcionamos a partir de uma determinada imagem de Deus que pode ser libertadora ou legitimadora de práticas e discursos racistas, classistas, sexistas, militaristas, colonialistas ou imperialistas. As religiões e as culturas precisam se atrever a uma “limpeza dentro de sua própria casa” e “jogar no lixo” todos aqueles elementos que não fazem parte de sua essência profunda. 3) Potencializar a consciência de alteridade, pois o verdadeiro acesso ao mistério passa pelo reconhecimento e pela aceitação do outro e da outra. A acolhida de alteridade como um principio teológico nos leva a crescer no respeito reverencial pelo mistério da outra e do outro e por suas manifestações espirituais e culturais. Isso, supõe que saibamos assumir o choque da alteridade, pois ao nos aproximar daquele que é diferente podemos nos sentir sacudidos e escandalizados. 4) Recuperar as entranhas místicas e proféticas das religiões e das culturas que são as molas capazes de sustentar nossas lutas e de oferecer uma contribuição significativa para a transformação de nossa realidade. Para recuperar este horizonte místico e profético, as religiões e as culturas precisam de um exercício de baixar ao fundo, de encontrar-se com o melhor de sua fonte para colocá-lo sobre a mesa e compartilhá-lo.

Geraldina Céspedes, op. Professora de Teologia da Universidade Rafael Landívar, cofundadora e coordenadora do núcleo  Mujeres y Teología, na Guatemala.